SOUL, NOVA ANIMAÇÃO DA PIXER REÚNE ELENCO DE MAIORIA NEGRA

Com temas filosóficos sobre o sentido da vida, Soul traz Jamie Foxx no papel de um aspirante a pianista de jazz

Com Jamie Foxx no papel de Joe Gardner, um professor de música de escola que é apaixonado por jazz e piano cuja vida não tomou o rumo que ele gostaria, “Soul” leva as animações a um novo patamar, não somente por causa de seus temas filosóficos sobre o sentido da vida, mas por ser o primeiro filme dos 25 anos de história da Pixar a contar com um elenco predominantemente negro.

A atração de apelo familiar estreou no serviço de streaming Disney+ DIS.N no dia de Natal, e seu elenco de dubladores inclui Phylicia Rashad, Questlove, Angela Bassett e Daveed Diggs, e Jon Batiste contribui com a trilha sonora jazzística.

O codiretor e roteirista Pete Docter disse que, inicialmente, “Soul” não pretendia girar em torno de uma pessoa negra. “Era só um filme que ecoava muito a minha própria experiência. E depois a escolha de torná-lo um músico de jazz nos fez sentir que era a escolha certa e adequada também torná-lo negro”, explicou Docter.

Foxx, que recebeu um Oscar em 2005 por interpretar o músico Ray Charles, acolheu a chance de fazer o papel. “Estava ansioso para as pessoas verem isso – o primeiro protagonista afro-americano da Pixar Disney. É isto que precisamos, sabe?”, disse.

Após uma abertura na cidade de Nova York, o personagem de Foxx cai em um bueiro e se descobre no Grande Antes, onde tem que ser o mentor de outra alma perdida, esta dublada por Tina Fey.

“Muitos de nós têm que entender o que raios está acontecendo, o que estamos fazendo com nossas vidas… por que estamos aqui e o que deveríamos estar fazendo para aproveitá-la ao máximo?”, ponderou Docter.

Aclamado pela crítica do Brasil e do mundo, Soul já é considerado a melhor animação de 2020, sendo eleito pela revista People o melhor filme do ano.

Com informações Reuters e Disney Pixar | Imagens: Divulgação/Disney Pixar

Deixe sua resposta aqui