#RAPBR: TOP 10 DAS BANDAS MAIS RELEVANTES DA DÉCADA DE 90

Recordar é viver e aprender mais sobre a cultura hip hop também! Nessa matéria conheceremos as principais bandas de #RAP que fizeram da década de 90 a “Golden Era” do #RapBR, como os entusiastas costumam declarar.

Fizemos uma Enquete com nossos leitores amantes desse estilo musical para saber suas opiniões sobre as 10 bandas mais relevantes da década de 90 , foram quase vinte e cinco (25) participantes e quase cinquenta (50) bandas citadas. Nomes como; Câmbio Negro, Realidade Cruel, Visão de Rua, Planet Hemp, MRN, Detentos do Rap, Doctors MC’s, Produto da Rua, Cirurgia Moral, Trilha Sonora do Gueto, Apocalipse 16, Rap Sensation, De Menos Crime e SNJ, entre outras várias bandas foram citadas nessa pesquisa, mas falaremos aqui das 10 bandas mais votadas, vamos colocar em ordem de posição e percentual (verificar classificação no final da matéria).

RACIONAIS MC’S

Racionais MC´s (Mano Brown, KL Jay, Ice Blue e Edi Rock) – Divulgação

Indiscutivelmente a banda mais relevante de todos os tempos no Rap Nacional, formada em 1989 desde o início com a mesma formação, os integrantes são Mano Brown, Ice Blue, KL Jay e Edi Rock. Na década de 90 lançaram quatro discos; “Holocausto Urbano”, “Escolha seu caminho”, “Raio-x do Brasil” e “Sobrevivendo no Inferno” e emplacaram vários clássicos como “Tempos Difíceis”, “Beco Sem Saída”, “Pânico na zona sul”, “Racistas Otários”, “Voz Ativa”, “Negro Limitado”, “Homem na estrada”, “Mano na porta do bar”, “Fim de semana no parque”, “Diário de um detento”, “Fórmula mágica da paz”, “Tô ouvindo alguém me chamar”, “Rapaz Comum”, “Capítulo 4, versículo 3”. Nenhuma banda emplacou tantas clássicos e hits durante a carreira como o grupo Racionais MC’s. Quase que uma unanimidade quando se trata de Rap, os quatro músicos são quase que uma exceção quando entram em estúdio para gravar, conseguem traduzir o presente mas sem deixar a música deixar de ser atual, resumindo, a obra dos quatro pretos mais perigosos do Brasil é uma grande obra atemporal, que atravessa gerações sem perder o sentido e a relevância.

FACÇÃO CENTRAL

Dum Dum (Foto de Divulgação) único remanescente da formação principal *

O grupo Facção Central formado em 1989 em São Paulo, já teve várias formações. Adotaram um discurso forte desde o início e com letras viscerais falando sobre crimes, miséria, violência e críticas sociais. Em seu primeiro álbum “Juventude de Atitude”, emplacou músicas como “Artistas ou não” e “Pilantra” e a formação era DJ Garga, Dum Dum e Eduardo, em 1995. No ano de 1998, lançaram o álbum “Estamos de Luto”, já com o DJ e Produtor Erick 12 substituindo DJ Garga e neste disco saíram clássicos como “Brincando de Marionetes”, “Detenção sem muro” e “História de um traficante”. Mas o apogeu da banda foi quando lançaram o álbum “Versos Sangrentos”, ainda com a formação de Eduardo, Dum Dum e Erick 12, produzido por Erick 12 e o renomado produtor Fabio Macari, já falecido o álbum trouxe às ruas clássicos que entraram para a história do #RapBR como “Isso aqui é uma guerra” *(clique no nome da letra para assistir o vídeo clipe) *, que teve seu clipe censurado à época, “Vidas em branco”, “Enterro de um santo”, “A cidade é nossa”, “12 de Outubro” e “A minha voz está no ar”. Poderíamos continuar falando mais sobre o grupo mas vamos ficar somente nos trabalhos que realizaram na década de 90 que é do que se trata nossa matéria.

FILOSOFIA DE RUA

Divulgação: Assessoria de Imprensa (DJ Man, Canhoto, Braiam* e Ugli C.I.) *Braiam atualmente participa como sideman

Em 11 de Setembro de 1991, em São Paulo criava-se o grupo Filosofia de Rua, por DJ Man e Ugli C.I., em 1993 participaram da coletânea “Movimento Hip Hop” (clique para ouvir) se destacando com as músicas “Jurados de Morte” e A cor da pele não influi em nada”. Na década de 90 a banda lançou três álbuns autorais; “Valeu a Experiência” lançado em 1994, neste disco o single “Se o mundo inteiro pudesse me ouvir” emplacou como um dos maiores clássicos do #RapBR. O segundo álbum foi lançado em 1996 intitulado “Da Rua”, este álbum consolidou de vez o grupo no cenário do Hip Hop, pois emplacou a música mais importante de sua carreira até o momento, “Histórias do Coração” se tornou praticamente um hino com um vídeo clipe que foi veiculado no extinto programa Yo Rap! na MTV brasileira, a música tem como referência a música de Hyldon, cantor de MPB que fez grande sucesso na década de 70 com várias músicas dentre elas a música Sábado e Domingo do álbum “Na Rua, Na Chuva, Na Fazenda”, lançado em 1975. Ainda no álbum “Da Rua”, outras músicas se destacaram como “Paz Interior”, “A noite de ontem” e “Valores da vida”. Em 1999, a banda lançou o álbum “Remixes”, o álbum contou com 13 faixas de remixes de músicas já gravadas.

SISTEMA NEGRO

Sistema Negro (Doctor X, Kid Nice, Master Jay e Eazy Down)

Com a formação original (Doctor X, Kid Nice, Master Jay e Eazy Down), o grupo Sistema Negro foi um dos grupos mais relevantes da década de 90, diretamente do interior paulista, mas precisamente da cidade de Campinas os membros do grupo iniciaram suas atividades em 1992, ano em que lançaram seu primeiro álbum autoral chamado “Ponto de Vista”, que se destacaram com duas faixas principais “Mensagem para otários” e “Ponto de vista”. mas foi o álbum “Bem vindos ao inferno” lançado pela gravadora “Zimbabwe” que colocou o grupo entre os artistas de rap mais ouvidos naquele ano, o ano de lançamento foi 1994, e o grupo emplacou clássicos como “Cada um por si”, “Poder da rima”, “Sexo Frágil”, “Bem vindos ao inferno”. Em 1997, lançaram o álbum “A jogada final” que trouxe um clássico chamado “Verão na VR”, música que retrata o bairro aonde os integrantes do grupo moravam. A música marcou tanto a carreira da banda que em 2012 ela ganhou um vídeo clipe, no canal do youtube do grupo. Clique aqui para assistir *

CONSCIÊNCIA HUMANA

Consciência Humana (W-Gi, DJ Luiz e Aplik)

O grupo Consciência Humana, ganhou destaque pelo conteúdo crítico de suas letras, formado em 1990, o grupo lançou seu primeiro álbum apenas quatro anos depois, intitulado “EnCHergue seus próprios erros”, destacando as músicas “Rajada”, “Tá na hora” e “Sangue B”, esta última com participação especial do rapper de Brasília GOG. Em 1996, eles abriram seu próprio selo chamado “D.R.R.” com o apoio de outro selo “Porte Ilegal” e lançaram o single “Lei da Periferia”. Já em 1997 o grupo lançou pelo seu selo o álbum “Entre a adolescência e o crime”, que além da música “Lei da Periferia”, também contou com músicas que tiveram projeção nacional para a banda como: “Lembranças”, “Geral”, “Amigo de Infância”, “Rajada Parte 2”, entre outras, emplacaram quase todas as músicas desse álbum, projetando de vez o grupo como um dos principais representantes do Rap BR. Em 1999, o grupo fechou a década lançando o vídeo clipe da música “Entre a adolescência e o crime” que deu nome ao álbum lançado em 1997.

PAVILHÃO 9

Pavilhão 9

Considerada uma das bandas mais polêmicas do Rap Nacional, o Pavilhão 9 foi criado em 1990 por Rho$$i, Camburão, Branco e Piveti, lançaram o EP “Primeiro Ato” com as clássicas “Manos Errados” e “Otários Fardados” em 1992, dois anos após a criação do grupo. Logo no início de sua trajetória os membros do Pavilhão 9 chamaram a atenção, pois se apresentavam com máscaras, bandanas e óculos para esconderem suas identidades, somente o rapper Pivete havia mostrado seu rosto na capa do disco. Os músicos abordavam temas polêmicos como crimes e a violência policial, críticas sociais e políticas, brigas entre gangues, entre outros temas que chamavam a atenção pela contundência em que cantavam. Em 1996, com nova formação depois da saída de Pivete e Branco, assumia os toca discos DJ Branco, o grupo lança o álbum “Procurados Vivos ou Mortos”, chamando atenção novamente pelas letras pesadas e viscerais de seus vocalistas, Rho$$i e Camburão, destaque para as faixas, “Apaga o Baseado” interpretada por Camburão, ganhou vídeo clipe dirigido por Alex Miranda transmitido pela MTV, “Vietnã”, “Final de Carreira” e “Luto”. Em 1997, o álbum “Cadeia Nacional” deu início a fusão do Rap com o Rock, com nova formação, além de Rho$$i (vocal) e DJ Branco, entram para a banda o vocalista Doze coma saída de Camburão, Marinho (baixo), Blindado (guitarra), Ortega (guitarra), Alexandre (bateria). “Mandando Bronca” foi um sucesso com participação de Igor e Max Cavallera do Sepultura, destaques também para a música “Opalão Preto”, “A fuga” e “Calibre Rho$$i”. No final da década, chega as ruas o álbum “Se Deus vier que venha armado”, com outro grande sucesso “Vai Explodir” com participação do ex-Planet Hemp “Black Alien“, “Terra de Ninguém”, “Retrato de São Paulo” com participação do grupo 1º Suspeito (DJ Branco, B.O., P.R. e DK).

DMN

Markão II, Max, DJ Slick e Elly

O grupo DMN, originalmente uma sigla que significava “Defensores do Movimento Negro”, formados originalmente por LF, Xis, Elly e DJ Slick. formado em 1989, lançaram seu primeiro trabalho autoral em 1993 com o álbum “Cada vez mais preto”, que destacou as faixas “4P”, “Aformaoriginalmental”, “Lei da Rua”, “Já não me espanto”, “Mova-se/Prisão sem muro” e “Considere-se um verdadeiro preto”, mas sua primeira aparição na cena foi na coletânea “Consciência Black vol. 2” com a música “Isso não se faz” em 1992. Apesar do respeito adquirido com o álbum de estréia com músicas que falavam sobre racismo, auto valorização e preconceito, o grupo teve sua maior ascensão após o lançamento do single “H. Aço” , com participação especial de Edi Rock dos Racionais MC’s em 1998, a música ganhou grande popularidade entre os jovens simpatizantes do movimento e chegou a ser indicada a categoria de melhor clipe de rap no Prêmio VMB da MTV Brasil no mesmo ano e em 2009 foi considerada uma das melhores músicas da década pelo já extinto Prêmio Hutuz, produzido por Celso Athayde. Atualmente o grupo é formado por Markão II, Max, DJ Slick e Elly.

RPW

RPW – Rúbia, Paul e W-Yo

Vocês já ouviram falar no estilo “Stage Diving”? Termo em inglês sobre que descreve o ato de pular de cima do palco para o público. Em 1994 produzidos por Fábio Macari e DJ Paul, lançam o primeiro registro e o maior single do gênero #BateCabeça, a música “Pule ou Empurre”. Com uma mistura de Rap e Hardcore, trazida pelo vocalista W-Yo, que era skatista e era baterista de uma banda de trash metal antes de entrar para o RPW. O trio em pouco tempo ganhou seu espaço dentre as maiores bandas de Hip Hop. O estilo logo se popularizou nos bailes de São Paulo e se tornaram referência dentro da cena. Outro paradigma que o grupo quebrou foi a inserção de uma vocalista mulher, a vocalista Rúbia, se tornou referência feminina na cena, logicamente que temos outras anteriores a ela, mas a forma singular, despojada e agressiva ao mesmo tempo da Rúbia marcam o estilo da banda. Na década de 90 lançaram três trabalhos, um single “12” (1994), “RPW – Está na área” (1996) e “Ao vivo” (1997). Outras músicas da banda faziam sucesso nas pistas como “Ser honesto pra sofrer”, “Presa no mundo”, “Zé (Tente Pelo Menos Ser Alguém)”.

RZO

RZO (Nego Jam, Helião, Negra Li, DJ Cia, Sandrão e Calado)

Conhecidos como Rapaziada da zona oeste também, o grupo RZO , são considerados um dos maiores nomes do Rap Nacional, em 1993 lançaram “Vida Brazileira” e em 1997 “RZO”, com a música “O trem”. Mas foi no ano de 1999, quase na virada do século que produzidos pela gravadora “Cosa Nostra”, do grupo Racionais MC´s lançaram o álbum “Todos são Manos”, esse trabalho deu ao grupo um grande salto em sua trajetória na música e com ele veio vários clássicos que até hoje influenciam os amantes da música rap; “Paz interior”, com a belíssima voz de Negra Li, “A Lei”, “O trem”, “Pirituba parte 1” e “O Rádio”. A formação principal da banda é Helião, Sandrão, DJ Cia e Negra Li, mas também tem o apoio de Nego Jam e Calado, o ultimo trabalho lançado pela banda foi em 2017, o álbum “Quem tá no jogo”.

COMANDO DMC

Comando DMC – Capa do álbum “São Paulo está se armando” (1993) clique para ouvir o álbum*

Diretamente da zona sul de São Paulo, surgiu o grupo Comando DMC, formado por Eazy-Jay e Turbo nos vocais e o DJ GrandMaster D também conhecido como DJ Gramma. lançaram seu primeiro álbum em 1992, o álbum “Vamos dar a volta por cima”, destacando “Dama da noite”, “Vamos dar a volta por cima”, “Tributo ao Presidente”, música que fez parte também da coletânea “Brasilian Rap” da equipe Black Mad. Em 1994 o grupo lançou o disco “São Paulo está se armando”, com as músicas “Na Zona Sul”, “Acorde Cara”, “São Paulo está se armando” e o single que se tornou carro chefe nos shows do comando, “Pulem”. Em 1995 saiu o álbum “Sangue no olho”, com os singles “Toque minha música”, “Eazy Sangue bom Jay”, “Quem é que vai pagar por isso” e “Comando em ação” (para ouvir o álbum completo, clique aqui).

Vídeo clipe “Pule ou Empurre” – RPW
Trecho da apresentação do grupo Sistema Negro cantando a música “Cada um por si”
Vídeo Clipe “Apaga o Baseado” – Pavilhão 9
Trecho da apresentação do grupo Comando DMC em 1995, no Vale do Anhangabaú (SP), no Festival 300 anos da morte de Zumbi
Vídeo Clipe “Histórias do Coração” – Filosofia de Rua

Confira o ranking completo da pesquisa que realizamos

BANDASPERCENTUAL
RACIONAIS12,21%
FILOSOFIA DE RUA6,98%
FACÇÃO CENTRAL6,98%
SISTEMA NEGRO5,81%
CONSCIENCIA HUMANA5,81%
PAVILHÃO 94,65%
DMN4,65%
RPW4,65%
RZO4,65%
COMANDO DMC / DMC RAP3,49%
CÂMBIO NEGRO2,91%
VISÃO DE RUA2,91%
REALIDADE CRUEL2,33%
PLANET HEMP1,74%
MRN1,74%
DETENTOS DO RAP1,74%
DOCTORS MCS1,74%
PRODUTO DA RUA1,74%
CIRURGIA MORAL1,16%
TSG1,16%
APC 161,16%
RAP SENSATION1,16%
DE MENOS CRIME1,16%
SNJ1,16%
ALERTA VERMELHO1,16%
FATOS REAIS1,16%
SAMPA CREW 1,16%
10ºBALINHAS DO RAP0,58%
GERAÇÃO RAP0,58%
BASEADO NAS RUAS0,58%
JIGABOO0,58%
A FAMÍLIA0,58%
509 E 0,58%
ALVOS DA LEI0,58%
CAMORRA0,58%
CÓDIGO 130,58%
REALIDADE URBANA0,58%
UNIDADE 10,58%
O RAPPA0,58%
GUINDART 1210,58%
REGIÃO ABISSAL0,58%
TROPA DE ELITE DF0,58%
RADICAIS DO PESO0,58%
VITIMA FATAL0,58%
POTENCIAL 30,58%
DA GUEDES0,58%
POSSEMENTE ZULU0,58%
FACE DA MORTE0,58%
SP FUNK0,58%
Pesquisa realizada entre os dias 30/04 e 01/05, com 25 participantes.

1 resposta

Deixe sua resposta aqui