POETAS NO TOPO 3.3 – PARTE 1: DESTAQUE PARA OGI, RASHID E MV BILL.

Quinta-feira (26), a produtora “Pineapple Storm Records” lançou mais uma edição do “Poetas no Topo”.

Com 19 minutos e 25 segundos, na última quinta (26), saiu o “Poetas no Topo 3.3 – Parte 1” com participação de 10 artistas, são eles: Ogi, Bob, Rod 3030, Rashid, MC Cabelinho, L7nnon, Kayuá, Azzy, DK47 e MV Bill.

As cenas foram capturadas em alguns ambientes como o Hospital Psiquiátrico Colônia Juliano Moreira e a Comunidade Cidade de Deus no Rio de Janeiro.

O destaque fica para os versos de MV Bill, Rashid e Ogi que mostraram mais uma vez grande versatilidade, conteúdo lírico e ‘flow’ marcante em seus versos. O rapper paulistano ‘Ogi’ além de se destacar com um dos melhores versos dessa edição também roubou a cena com uma interpretação artística fazendo uma ligação do seu verso e da cena ambientada em um hospital psiquiátrico, com um atuação teatral incorporando um paciente da colônia.

Outros cantores como DK47, Rod 3030, MC Cabelinho e L7nnon também não deixaram a desejar em seus versos, mantendo o excelente nível dos 3 citados anteriormente, mas o ponto de desequilíbrio dessa edição ficou por conta de Kayuá, Bob e Azzy.

Bob em seu verso citou o próprio Poetas no topo, Rashid, Ogi, fez referência a Bolsonaro mas faltou um pouco de interpretação e parece que quis macular sua participação no verso justificando que os fãs pulariam a sua parte para ouvir os versos do “MC do Hype”, se referindo a artistas com mais exposição que ele. Esse recurso que utilizou mostra insegurança e fragilidade, se colocando em um menor patamar do que seus pares na música.

Kayuá e Azzy infelizmente não conseguiram manter o mesmo nível com letras muito abaixo dos demais e sem acompanhar a cadência do beat destoaram negativamente entre os outros artistas. Kayuá teve um ponto positivo que foi sua atuação diante das câmeras mas não combinou com a temática abordada pelos outros que foram mais contundentes em suas cenas, mostrando mais seriedade e menos irreverência do que Kayuá.

Azzy focou em seu verso para atacar o rapper BC Raff, desafeto da empresa “Pineapple” que participou de outra edição do Poetas e teve sua parte no clipe retirada após desavenças com a produtora. Azzy perdeu grande oportunidade de abordar temas mais relevantes e importantes para quem se propõe cantar Rap, ficou muito abaixo dos outros, mostrando fraca lírica, flow desordenado, técnica limitada e pouca intimidade com as câmeras.

Foto: Divulgação

Parece que vem mais edições com outros artistas, pois na foto de divulgação aparecem outros rappers que não apareceram nessa edição como “Projota” e “Kamau”. Vamos aguardar maiores informações sobre e com certeza publicaremos por aqui.

Fonte: Pineapple Storm Records

Por E. Santos (Sala Secreta)

Categorias:HIP HOP, MÚSICA, NA MIDIA

Deixe sua resposta aqui