#NOVEMBRO AZUL ALERTA PARA A PREVENÇÃO DO CÂNCER DE PRÓSTATA

Campanha chama a atenção para prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de próstata e das doenças que atingem a população masculina

Campanha mundial, o Novembro Azul teve origem em 2003, na Austrália, com o objetivo de chamar a atenção para a prevenção e o diagnóstico precoce de doenças que atingem a população masculina.

No Brasil, dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), revelam a estimativa de 65.840 casos novos de câncer de próstata para cada ano do triênio 2020-2022. Esse valor corresponde a um risco estimado de 62,95 casos novos a cada 100 mil homens, constituindo o tipo de câncer mais incidente nos homens (excetuando-se o câncer de pele não melanoma) em todas as regiões do país.

Por sua vez, a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mantém sua recomendação de que os homens, a partir de 50 anos e mesmo sem apresentar sintomas, devem procurar um profissional especializado, para avaliação individualizada tendo como objetivo o diagnóstico precoce do câncer de próstata. Os homens que integrarem o grupo de risco (raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata) devem começar seus exames mais precocemente, a partir dos 45 anos. Após os 75 anos, somente homens com perspectiva de vida maior do que 10 anos poderão fazer essa avaliação.

No ano passado, o Ministério da Saúde (MS) lançou em seu portal na internet, com apoio técnico do INCA, a página Câncer de próstata; causa, sintomas, tratamento e prevenção . O INCA também postou a cartilha Câncer de próstata: vamos falar sobre isso? com informações para que as pessoas possam entender mais acerca da doença e decidirem o que é melhor para a própria saúde.

CAMPANHA

Durante o mês de novembro, monumentos, órgãos públicos e privados espalhados pelo Brasil serão iluminados de azul, lembrando o período de conscientização e prevenção ao câncer de próstata.

O Metro de São Paulo também estará com uma exposição de cartazes lembrando da importância do homem cuidar da sua saúde.

Pensando nessa realidade que envolve a importância da obtenção do diagnóstico precoce e da continuidade do tratamento, mesmo em tempos pandêmicos, a SBU realiza no mês de novembro mais uma edição do Novembro Azul, que visa conscientizar os homens sobre a sua saúde.

De acordo com o presidente da SBU, Prof. Antonio Carlos Lima Pompeo, é muito importante que os homens tenham acesso à informação se são do grupo de risco, quando devem procurar o médico e quais problemas podem acometê-los por meio de campanhas educativas como o Novembro Azul. “A SBU realiza ações de esclarecimento da população sobre o câncer de próstata desde 2004 em novembro, pois dia 17 de novembro é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata”, diz.

Dentro desta perspectiva de diálogo com a sociedade, foi programada uma série de ações on-line e presenciais de esclarecimento do público. Acontecerão lives nas redes sociais do Portal da Urologia (@portaldaurologia), contando com a participação de especialistas e convidados.

CÂNCER E OUTRAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

Do tamanho de uma castanha e localizada abaixo da bexiga, a principal função da próstata é produzir uma secreção fluida para nutrição e transporte dos espermatozoides. Ao longo da vida a glândula pode desenvolver três doenças: a prostatite (inflamação), a hiperplasia prostática benigna – HPB (crescimento benigno) – e o câncer.

A prostatite chega a atingir cerca de 30% dos homens. Pode causar ardor ou queimação ou um desconforto durante o orgasmo, esperma de cor amarelada, vontade frequente para urinar etc. A principal causa para a doença são uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas e ainda após relação anal sem preservativo.

O câncer, por sua vez, não costuma apresentar sintomas em fases iniciais, quando em 90% dos casos pode ser curado se diagnosticado precocemente. Ao apresentar sintomas significa já estar numa fase mais avançada e pode causar vontade de urinar com frequência e presença de sangue na urina ou no sêmen.

“Não existe modo melhor de enfrentarmos uma doença do que diagnosticá-la no início, as opções e a efetividade dos tratamentos aumentam, podendo-se obter a cura. A introdução dos exames de detecção precoce do câncer prostático, há mais de vinte anos, resultou em queda da mortalidade pela doença em vários países”, avalia o diretor do Departamento de Uro-oncologia da Sociedade Brasileira de Urologia, Dr. Rodolfo Borges.

Fontes: Instituto Nacional de Câncer (INCA), Ministério da Saúde e Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)

Imagem: Freepik

Deixe sua resposta aqui