IGUALDADE DE GÊNERO: “MUNDO TEM QUE AVANÇAR”

No ano em que o mundo marca o 25º aniversário da 4ª Conferência Mundial sobre a Mulher em Pequim, ONU destaca necessidade no avanço em igualdade de gênero

Este ano, o mundo marca o 25º aniversário da 4ª Conferência Mundial sobre a Mulher em Pequim, realizada na China, em 1995, quando foi adotada a Declaração e Plataforma de Ação de Pequim. O documento é considerado o mais abrangente sobre os direitos das mulheres. 

Mesmo assim, um quarto de século depois, somente cerca de 10% dos países do globo são liderados por mulheres, e apesar de avanços em áreas como combate à mortalidade materna, muito ainda precisa ser feito para a igualdade de gênero. 

A conclusão é do secretário-geral da ONU, António Guterres, e outros participantes do encontro virtual “Acelerando a realização da igualdade de gênero e o empoderamento de todas as mulheres e meninas”, realizado em Nova Iorque para marcar a data. Mais de 150 países se inscreveram para falar, muitos representados por chefes de Estado e Governo. 

Falando na abertura do encontro, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que a Conferência de Pequim “foi um ponto de viragem”, deixando “claro que os direitos das mulheres estão no centro da igualdade e da justiça em todo o mundo.” 

Para Guterres, o mundo obteve progressos como a mortalidade materna, que caiu quase 40%, e a matrícula escolar de mais meninas do que em qualquer outro momento da história. 

FEMINICÍDIO 

Apesar disso, a visão ambiciosa da Declaração de Pequim não foi cumprida. Uma mulher em cada três ainda sofre alguma forma de violência, todos os anos 12 milhões de meninas, menores de 18 anos, se casam e, em algumas partes do globo, os níveis de feminicídio podem ser comparados a uma zona de guerra. 

Em 2017, uma média diária de 137 mulheres foram assassinadas por um membro da própria família. As mulheres ainda são frequentemente excluídas de negociações de paz e outros tipos de decisão.  

A diretora-executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka, falou sobre liderança política.

EQUIDADE DE GÊNERO

Em 1945, quando a ONU foi fundada, não havia mulheres chefes de Estado ou de Governo. Em 1995, em Pequim, havia 12 mulheres. Hoje, existem 22 mulheres chefes de Estado ou Governo entre os países-membros da ONU.

Mlambo-Ngcuka diz que “é hora de ações para mudar o curso da história de mulheres e meninas, especialmente mulheres entre 25 e 34 anos, que têm cada vez mais probabilidade de viver na pobreza extrema do que seus colegas homens.” 

Também chegou o momento de “acabar com as leis, normas e homofobia discriminatórias, para acabar com a violência dos homens contra mulheres e meninas e fazer um esforço conjunto para colocar as mulheres no centro da justiça climática.” 

Em todo o mundo, em média, as mulheres têm apenas 75% dos direitos legais dos homens. O Banco Mundial estima que pode levar 150 anos para atingir a paridade de gênero em salários.

Além de todos esses desafios, o chefe da ONU afirmou que “a Covid-19 enfatizou e explorou a contínua negação dos direitos das mulheres.” 

Segundo ele, sem ação imediata, “a Covid-19 pode eliminar uma geração de progresso.” 

Para o secretário-geral, igualdade “é fundamentalmente uma questão de poder.” Enfermeiras e cuidadoras estão na linha de frente da resposta à pandemia, mas os homens ocupam 70% dos papéis de liderança na área da saúde, por exemplo.

AÇÕES AFIRMATIVAS E COTAS

Women unite

Para alcançar isso, o secretário-geral pede medidas direcionadas, incluindo ações afirmativas e cotas. 

As Nações Unidas alcançaram a paridade de gênero em sua liderança no início de 2020, com 90 mulheres e 90 homens como líderes seniores em tempo integral. Agora, a organização está trabalhando pela paridade em todos os níveis. 

Saudando o contributo de homens e mulheres há 25 anos, Guterres concluiu dizendo que é agora o momento “de terminar o trabalho que eles começaram.”

Na última década, 131 países aprovaram leis para apoiar a igualdade, incluindo para aumentar o acesso aos cuidados de saúde e educação de boa qualidade. Mais países alcançaram a paridade de gênero na matrícula educacional e menos mulheres morrem durante o parto. 

Apesar do progresso, nenhum país alcançou a igualdade de gênero. 

Agora, devido à pandemia, estima-se que em 2021, 47 milhões de mulheres e meninas serão lançadas na pobreza extrema, elevando o total para 435 milhões. 

Em 2021, para cada 100 homens com idades entre 25 e 34 anos vivendo em extrema pobreza, haverá 118 mulheres, uma diferença que deverá aumentar para 121 mulheres por 100 homens até 2030.

Com informações ONU|Imagens: Divulgação

Acompanhe as nossas publicações no site e redes sociais. Contamos com o seu apoio, compartilhe os nossos conteúdos ou contribua conosco para continuarmos gerando conteúdos para vocês no Apoia.se! Caso  não possa nos  apoiar mensalmente, você pode contribuir com qualquer valor efetuando um depósito para o Sala Secreta 3S no Banco do Brasil  | Agência: 6966-3  | Conta Corrente: 21.127-3 | CNPJ: 36.126.051/0001-01 

Nosso Muito Obrigado, equipe Sala Secreta!
Para mais informações, envie  email para:  
imprensa@salasecreta3s.com