DIA MUNDIAL DA SAÚDE: PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA BATALHA CONTRA O COVID-19

No Dia Mundial da Saúde, OMS destaca a necessidade urgente de fortalecer o trabalho de profissionais da saúde globalmente, enquanto Ministério da Saúde alerta  sobre a importância da vacinação e imunização para evitar a volta de doenças já erradicadas no mundo

Celebrado no dia 07 de abril , Dia Mundial da Saúde coincide com a criação da Organização Mundial de Saúde (OMS), em 1948. O objetivo dessa celebração é despertar uma consciência mundial sobre a importância de diversos aspectos da saúde.

Em meio a pandemia de Covid-19 (coronavírus), enquanto a  OMS destaca necessidade urgente de fortalecer o trabalho de profissionais da saúde globalmente; No Brasil, o Ministério da Saúde alerta  sobre a importância da vacinação e imunização para evitar a volta de doenças já erradicadas no mundo. O tema escolhido pelo país neste ano, se deve ao registro de baixas coberturas vacinais que permitiram o reaparecimento de doenças que já estavam eliminadas no país, como o sarampo.

“Os profissionais de enfermagem são a espinha dorsal de qualquer sistema de saúde. Hoje, muitos deles estão na vanguarda da batalha contra o COVID-19 “, que já deixou mais de 75 mil mortos em todo o mundo, declarou o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

Ao longo da história, profissionais de enfermagem estiveram na vanguarda da luta contra epidemias e pandemias que ameaçam a saúde em todo o mundo, exatamente como é hoje. Atualmente, existem cerca de 28 milhões de enfermeiros em todo mundo, representando mais da metade do pessoal de saúde na prestação de serviços essenciais em todo o sistema de saúde, segundo o relatório Situação da Enfermagem no Mundo 2020.

“Em todo o mundo, enfermeiros e parteiras demonstram sua compaixão, bravura e coragem ao responder à pandemia do COVID-19. “Este relatório é um lembrete claro do papel insubstituível que eles desempenham e um alerta para garantir que eles recebam o apoio necessário para proteger a saúde do mundo”,  destacou Tedros Adhanon.

Produzido pela OMS, em colaboração com o Conselho Internacional de Enfermeiros (ICN) e a campanha Nursing Now, o estudo revelam deficiências significativas na equipe de enfermagem e identificam áreas prioritárias para investimentos em treinamento, emprego e liderança para fortalecer a equipe de enfermagem em todo o mundo e melhorar a saúde de todos.

Ainda de acordo com o estudo, apesar do aumento de 4,7 milhões no número de enfermeiros, entre 2013 e 2018, ainda existe um déficit global de 5,9 milhões de profissionais, principalmente em países da África, Sudeste Asiático e Região. do Mediterrâneo Oriental da OMS, bem como em algumas partes da América Latina.

Aproximadamente 90% de todos os profissionais de enfermagem são mulheres, mas há poucos enfermeiros em cargos gerenciais no setor de saúde. A grande maioria dessas posições é ocupada por homens. No entanto, quando os países permitem que os enfermeiros assumam um papel gerencial, por exemplo, estabelecendo um cargo de chefe dos serviços públicos de enfermagem (ou equivalente) e programas de liderança para o pessoal de enfermagem, as condições desse grupo melhorar.

É revelador que mais de 80% da equipe de enfermagem do mundo trabalha em países que hospedam metade da população mundial.

O envelhecimento também ameaça a equipe de enfermagem: espera-se que um em cada seis profissionais de enfermagem do mundo se aposente nos próximos 10 anos.

Para evitar uma situação de escassez global, o relatório estima que os países que sofrem privações devem aumentar em média 8% o número total de graduados em enfermagem por ano e melhorar suas opções para obter emprego, e retê-lo no sistema de saúde. Tudo isso custaria cerca de US$ 10 per capita (a população como um todo) por ano.

“Em todo o mundo, eles demonstram sua compaixão, bravura e coragem ao responder à pandemia do COVID-19: seu valor nunca foi enfatizado com mais clareza. Mais do que nunca, temos que lembrar  e agradecer o trabalho destes enfermeiros e parteiras”, destacou Tedros Adhanon.

MINISTÉRIO DA SAÚDE

APP CORONAVÍRUS SUS

Atualizado recentemente, o aplicativo “Coronavírus SUS” (clique aqui para baixar) interage com o usuário por meio dos dispositivos móveis. A ferramenta permite que a Secretaria de Vigilância em Saúde, responsável pela vigilância epidemiológica da pandemia do coronavírus no Brasil, disponibilize comunicados para usuários em geral ou segmentos públicos específicos, além de avaliar um possível infecção, qualificando o usuário dentro dos grupos de risco, conforme idade, sexo e comorbidades (associação de duas ou mais doenças).

DISQUE SAÚDE 136

Para saber mais ou tirar dúvidas sobre a COVID-19, a população também pode contar com o serviço de informações do Disque Saúde 136, sob a responsabilidade da Ouvidoria-Geral do SUS. Nesse canal é concentrado um grande volume de informações, onde a população tem acesso por meio de atendimento humano e eletrônico. É mais canal gratuito para ajudar com informações sobre o coronavírus e seu enfrentamento.

OMS WHATSAPP

A OMS lançou ontem ( segunda 06/04), a  versão em português de um serviço de mensagens gratuito, desenvolvido em parceria com WhatsApp e Facebook, para manter as pessoas bem informadas sobre o novo coronavírus.

Basta enviar a palavra “oi”, no aplicativo Whatsapp, para o número +41 22 501 77 35 e iniciar a conversa (http://wa.me/41225017735?text=oi). Será aberto um menu de opções para tirar dúvidas, checar os dados mais atualizados, descobrir o que é fato ou fake news (boato), quais as medidas mais importantes para proteger a si e a outras pessoas, além de outras informações sobre a doença causada pelo novo coronavírus: a COVID-19.

Fontes: OMS e Ministério da Saúde Brasil | Foto: pixabay

Deixe sua resposta aqui