DIA DO ADVOGADO: MULHERES REPRESENTAM 49,79% DA CATEGORIA, MAS AINDA SÃO MINORIA EM CARGOS DE CHEFIA

Historicamente dominada pelos homens, a advocacia é uma das áreas em que a diversidade de gênero cresce exponencialmente

Segundo dados da Ordem dos Advogados do Brasil(OAB), as mulheres representam 49,79% do quadro total dos profissionais do país. Nas faixas etárias de até 25 anos e entre 25 e 40 anos elas  são maioria. Porém, essa proporção não se mantém nos cargos de liderança.

Historicamente dominada pelos homens, a advocacia é uma das áreas em que a diversidade de gênero cresce exponencialmente. Um levantamento em escritórios de advocacia da Women in Law Mentoring Brasil demonstrou que as mulheres representam 57% dos profissionais, porém são apenas 34,9% dos sócios de capital. Nos departamentos jurídicos das empresas a situação não é diferente.

O aumento da presença feminina na advocacia começou no fim do século XX, segundo estudo da pesquisadora Patricia Bertolini. Na OAB de São Paulo, por exemplo, em 1930 existiam apenas três advogadas registradas, contra 376 advogados. Já nos anos 60 eram 1.289 mulheres, contra mais de 6 mil homens. Só em 1980 a proporção de advogadas em relação aos homens começa a crescer com 16.679 advogadas registradas, contra 25.708 advogados. Em 2010, o número de mulheres inscritas passa a ser superior ao de homens: 27.826, contra 25.903.

Se levados em conta apenas o número de profissionais até 40 anos em todo o Brasil, as mulheres já são maioria e compõem 56% do número de advogados inscritos na OAB, segundo levantamento do Jota. Essa tendência também é observada nos cursos de graduação de Direito, nos quais sete em cada dez alunos são mulheres, de acordo com o último Censo da Educação Superior desenvolvido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

O único ponto no qual o predomínio feminino não é percebido é nos cargos de liderança. Segundo pesquisa do Women in Law Mentoring Brasil, realizado em 55 escritórios de advocacia com mais de 3.000 profissionais, as mulheres são 57% dos integrantes, porém são apenas 34,9% dos sócios de capital. Entretanto, em algumas empresas, como a JTI, elas vêm demonstrando todo o seu potencial quando estão no comando. Inclusive, o departamento jurídico da JTI Brasil é predominado pelo público feminino: cerca de 93% dos colaboradores da área são mulheres.

LEIA MAIS: SALVE QUEBRADA: APOIO JURÍDICO GRATUITO AS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E DE GÊNERO

ONU MULHERES RECOMENDA QUE IGUALDADE DE GÊNERO SEJA INCLUÍDA NA RESPOSTA À PANDEMIA DE COVID-19

MULHERES REPRESENTAM 52,63% DO ELEITORADO, MAS, SÃO MINORIA NA POLÍTICA

DESCUBRA 4 ÁREAS ONDE TÊM MENOS MULHERES ENSINANDO

Roberta Venâncio é a Diretora do Departamento Jurídico da empresa desde o início deste ano. Atuando em um setor altamente regulado,  entrou para a organização com a missão de buscar uma regulamentação equilibrada que permita a livre concorrência. “Nós acreditamos que nossa atividade tem sim que ser regulada, porém, ela não pode impedir uma atividade legal e nem prejudicar a disputa pelo mercado. Por esse motivo, vamos trabalhar para que seja encontrado um caminho no qual se possa conciliar esses dois aspectos”, destaca. Roberta possui experiência de mais de 20 anos de atuação e já trabalhou em uma outra empresa do setor.

Para ela, tanto no ambiente jurídico quanto corporativo as mulheres estão conquistando seu espaço, mas é preciso ampliar a presença delas nas diretorias das organizações. “Existem aspectos muito positivos hoje em dia. Antigamente, as mulheres precisavam, muitas vezes, mudar o seu estilo ou levantar a voz para serem ouvidas. Hoje, isso não é mais uma necessidade. Porém, sinto que ainda existe o desafio de avançar na presença feminina para além dos cargos de gerência média”, reflete.

Para Thiago Dotto, Diretor de Pessoas e Cultura da JTI, a organização tem trabalhado para avançar na diversidade de gênero dentro dos cargos de liderança, porém ainda há um  caminho a ser percorrido.  “ O foco na diversidade e na equidade de gênero é muito importante para nós.

As organizações e escritórios de advocacia só tem a ganhar com o avanço das mulheres na advocacia. A pesquisa Women in Business and Management, realizada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), demonstra, por exemplo, que empresas com iniciativas de diversidade de gênero relatam estar mais abertas à criatividade e à inovação (54,4%) e têm mais lucro e produtividade (60,2%). O estudo foi realizado em 70 países com 12.940 empresas e também evidencia que o número de mulheres ocupando cargos de gerência e diretoria tem aumentado historicamente.

Imagem: Freepik

Acompanhe as nossas publicações no site e redes sociais. Contamos com o seu apoio, compartilhe os nossos conteúdos ou contribua conosco para continuarmos gerando conteúdos para vocês no Apoia.se! Caso  não possa nos  apoiar mensalmente, você pode contribuir com qualquer valor efetuando um depósito para o Sala Secreta 3S no Banco do Brasil  | Agência: 6966-3  | Conta Corrente: 21.127-3 | CNPJ: 36.126.051/0001-01 

Nosso Muito Obrigado, equipe Sala Secreta!
Para mais informações, envie  email para: 
imprensa@salasecreta3s.com

Deixe sua resposta aqui