CORONAVÍRUS: 66% DOS FILHOS SOFREM COM A MUDANÇA DE ROTINA, DIZ ESTUDO

As mães são as mais preocupadas com essa mudança repentina que surgiu com a pandemia. Entre as famílias com filhos mais velhos, o sofrimento alcança 3 em cada 4 crianças

Com o aumento de casos de coronavírus no Brasil, e as mortes causadas pela pandemia, está claro que o medo da população vem crescendo igualmente. Os governos dos estados vêm adotando medidas de prevenção, como o isolamento social, e o fechamento de locais públicos, como é o caso das escolas, creches e instituições de ensino superior. 

Com isso, as famílias brasileiras tiveram que adaptar sua rotina de forma repentina. Sem as escolas e creches, as crianças ficam em casa o tempo inteiro. Em seu mais recente estudo, a Famivita constatou que 66% das mães sentem que seus filhos sofrem com a nova rotina que surgiu com a pandemia. Entre as famílias com filhos mais velhos, o sofrimento alcança 3 em cada 4 crianças. 

No Espírito Santo, 73% das mães relataram que seus filhos sofrem com a nova rotina que surgiu com a pandemia. Em São Paulo, estado mais afetado pelo vírus, 68% das famílias sentem o sofrimentos de seus filhos. Já no Rio de Janeiro, segundo estado mais afetado, 69% dos pais percebem esse desconforto. As mães são as mais preocupadas com essa mudança de rotina repentina na vida de seus filhos, e representam mais da metade das entrevistadas.

Mesmo com as medidas de prevenção adotadas no país, percebemos que 4 em cada 5 das famílias brasileiras têm medo de serem infectadas com o vírus em instituições de saúde. Ou seja, evitam ir ao hospital ou postos de saúde ao máximo. Esse medo independe da idade, e é 9% maior entre as mães; Afinal, elas não podem ficar doentes, pois precisam cuidar de seus filhos. Sendo assim, outros problemas de saúde são negligenciados, exames não são feitos, e falta prevenção para o câncer ou doenças infecciosas, por exemplo. 

No Acre e em Roraima, pelo menos 90% das mulheres têm medo de ir à um hospital ou posto de saúde no momento, por causa do vírus. Na Bahia, 85% das mães também estão com medo. Já em Santa Catarina, o medo é um pouco menor, com 72% das participantes. Além do medo de ir a hospitais, 58% da população considera um risco à saúde o comportamento inadequado que algumas pessoas adotam e que podem aumentar o número de casos.

Fonte: Divulgação

Deixe sua resposta aqui